quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Os alunos da Professora Denice tiveram um trabalhão no ano passado. Veja  o vídeo!




quinta-feira, 22 de novembro de 2012

A Escola Marcílio Pontes fica em 3º no Enem

Mais um excelente resultado para a Escola Marcílio Pontes dos Santos. No Enem 2011 a escola ficou em 3º lugar das escolas públicas, perdendo apenas para o Instituto São José e Escola Prof. José Rodrigues Leite, ambas de Rio Branco. Para o gestor Eudes Caetano o resultado é mais uma demonstração de todo o esforço praticado em sua gestão. 
Ainda em 2011, a escola ficou em 3º na avaliação do Seap.
A coodernação da escola fez vários simulados visando o Enem que já aconteceu nos dia 03 e 04 de novembro e, a avaliação da Seap que acontecerá entre os dias 03 e 07 de dezembro.




terça-feira, 13 de novembro de 2012

VI SIMPÓSIO DA UFAC



A Escola Marcílio Pontes dos Santos participou mais uma vez do Simpósio da Ufac. Desta vez apresentamos um Pôster relatando o uso das tecnologias digitais proporcionada pelo UCA. O Pôster que representava uma aula de Matemática do Professor Francisco Guedes tinha o professor como autor e Prof. Clevilson  Oliveira como co-autor.
A escola acredita no Projeto Uca e este tem trazido vários resultados positivos para a instituição. Resultados diretos e indiretos. 

Resultados obtidos
2011
Publicação de artigo - Prof. Clevilson
Publicação de artigo- Prof. Denice
Apresentação de Pôster - Dir. Eudes e Coord. Paula
Elevação da Média da Escola na Avaliação do Seap - 3º no Estado

2012
Medalha de Bronze na Olimpíada de Língua Portuguesa - Prof. Clevilson
Apresentação de Pôster - Prof. Guedes e Prof. Clevilson

O projeto tem projetado a escola para grande desafios. E na oportunidade  a Direção da escola agradece às pessoas que tem se empenhado nessa transformação gratificante. Agradecer a nossa formadora Gleice Maria que tem nos incentivado e mostrado que podemos ir muito além.





sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Me inspirando no desconhecido








Por Betânia Lopes
Manhã de uma terça-feira. O sol estava a nascer, trazendo uma forte brisa do mar em direção à calçada, que ficava logo ali. Onde terminava a onda começava a escada.
Encontrava-me a vagar entre as pessoas, com olhos inquietos, pois procurava um detalhe, não um qualquer,  um especial. O bastante para ter mérito de uma crônica. Quando de repente o avistei. Ele estava de costas pra mim. Fitei meus olhos nele, e passei a observá-lo. Era um homem simples, de meia idade, porém, a paisagem o transformava em uma criança, com olhos virgens para tamanha beleza. Olhava o horizonte de uma maneira particular. Enxergava mais do que os meus olhos podiam ver, pois havia admiração com intensidade, pureza.
A cada onda, seu peito se enchia de entusiasmo. Inclinava levemente o rosto, como se tentasse sentir a fragrância da brisa, do mar, da areia. A cada ação dessa, que se repetia como as ondas, ele que estava escorado com os cotovelos  na mureta de proteção, erguia-se.
Então me aproximei e pude perceber tudo. O homem é de uma região que não tem mar. De um lugar onde as belezas naturais são totalmente diferentes. O homem que não reconheci, que contemplava aquele momento como único, era meu professor. 

(Texto produzido pela aluna Betânia Lopes do 1º ano A, da Escola Marcílio Pontes dos Santos, na Fase Semifinal da Olimpíada de Língua Portuguesa, em Natal - RN. A competição exigia que ela tirasse uma foto, e que a patir dela, fizesse um texto. Ela tirou uma foto do Prof. Clevilson admirando o mar.)